segunda-feira, maio 08, 2006

Heróis do Mar


As imagens que se seguem, recolhidas por um fotógrafo anónimo de Ílhavo (talvez não passasse de um simples tripulante), foram obtidas a bordo do lugre bacalhoeiro "LABRADOR", um veleiro de três mastros, construído em madeira, durante a campanha bacalhoeira de 1939, nos bancos pesqueiros dos mares gelados da Nova Escócia, Terra Nova, St. Pierre et Miquelon e Groenlândia. Era no tempo em que os pescadores portugueses, arriscando a vida todos os dias, durante 16 a 20 horas, ao longo de 6 intermináveis meses, entre Abril e Setembro, levavam a cabo a faina, utilizando a pesca de mão à linha, munida dum único anzol, nos frágeis “dóris”, pequenas embarcações individuais de fundo chato. O lugre bacalhoeiro funcionava como base dos “dóris”, alojamento dos marinheiros-pescadores e fábrica de preparação do pescado, que incluía as operações de descabeçamento, do escalo (corte longitudinal do peixe) e da salga. À custa de saudades do lar, da dureza da labuta, de ordenados miseráveis, da alimentação de presidiário e das condições de trabalho infra-humanas, os pescadores portugueses foram os responsáveis, para que o "fiel amigo", também conhecido por “bacalhau a pataco" (uma imagem de marca do salazarismo), não faltasse à mesa dos portugueses. Muitos desses heróis do mar, vítimas de acidentes e doenças, repousam hoje no semi-abandonado talhão dos portugueses, do cemitério St. John's, na Terra Nova, ou em Hollsteinborg, porto da costa oeste da Groenlândia.


O “Labrador” ancorado na Terra Nova

O início da pesca do bacalhau, nos distantes bancos pesqueiros da Terra Nova, data do reinado de D.Manuel I, entre 1465 e 1521, andou intimamente associado às navegações portuguesas no Atlântico Norte, e aconteceu na sequência das grandes carências alimentares dos povos europeus, que passaram a ver no bacalhau, que tanto podia ser consumido na sua forma salgada, fumada ou seca ao sol, uma opção saborosa e nutritiva. É assim que os navegadores João Fernandes Lavrador (que deu o seu nome à península do Labrador e ao lugre desta reportagem) e Pedro de Barcelos, obtêm licença régia para procurar terras no Atlântico Norte, tendo João Álvares Fagundes explorado a costa norte da Terra Nova, vindo a descobrir o golfo de S. Lourenço. A sistemática exploração destes ricos bancos de pescado, com o aumento progressivo do número de naus que demandavam estas paragens, estendeu-se até 1580, altura em que Portugal perdeu a sua independência. Durante a dominação filipina, entre 1580 e 1640, a actividade piscatória na Terra Nova decaiu até quase se extinguir, tendo-se então recorrido à importação do bacalhau, para satisfazer as necessidades do país.
O regresso em força aos mares gelados da Terra Nova, para a pesca do bacalhau, só volta a acontecer no século XIX, cerca de 1830, com a criação de incentivos e a construção de embarcações vocacionadas para a pesca longínqua.
Já nos anos 30 do passado século XX, a frota bacalhoeira envolvia perto de 70 navios, com tripulações que, na totalidade, rondavam entre 6.500 e 7.000 homens, distribuídos pelos vários mesteres e funções.

O cozinheiro do “Labrador” e o seu “Figurão”


O lugre “Labrador” enfrenta uma tempestade no mar alto. No convés, podem ver-se os “dóris”, empilhados uns dentro dos outros, para economizar espaço.

Mesmo no verão, os icebergues, massas de gelo de enormes dimensões, que se desprendem das calotas polares, flutuando à deriva, são comuns no Atlântico Norte, constituindo um perigo permanente para a navegação e para a faina da pesca.

Pescadores nos “dóris”, na faina da pesca, embebidos num silêncio feito de mar e céu, isto quando não se abatiam os traiçoeiros nevoeiros, que deixavam o pescador cosido com a mais inóspita das solidões. Nessas alturas, apenas o toque das sinetas e sirenes dos lugres, fornecia a orientação mínima para os pescadores, quase às cegas, regressarem ao seu navio-base.

Um alabote, peixe do Atlântico Norte, que pode ter até 3 metros de comprimento e 300 quilos de peso, capturado pelos pescadores do “Labrador”.

Meninos esquimós visitam o “Labrador”.

Raparigas esquimós em visita ao “Labrador”.

Aquele ano de 1939, em que nasceu esta exígua reportagem fotográfica, foi um ano assaz difícil, para o mundo em geral. Ficou marcado pelo início da Segunda Guerra Mundial, com a ocupação da Checoslováquia e a invasão da Polónia, pelos exércitos da Alemanha nazi. Em Portugal, com Salazar a viver as euforias do Estado Novo, a refinar os instrumentos repressivos do regime, a isolar o país, ensaiando uma primeira versão da doutrina do “orgulhosamente sós”, levou a que o ditador se acantonasse numa fingida neutralidade, ajudando sub-repticiamente a Alemanha de Hitler com a mão direita, exportando tungsténio, metal essencial para a indústria de armamento, enquanto que com a esquerda ia concedendo facilidades à Inglaterra, nosso secular aliado. Até ao termo do conflito em 1945, as campanhas da pesca do bacalhau foram tentando atenuar as grandes carências alimentares que afectaram a população portuguesa, provocadas pela penúria e os racionamentos de géneros. É nessa altura que todos os navios da frota bacalhoeira são pintados de branco, ostentando os símbolos nacionais bem à vista, a fim de serem facilmente reconhecidos por todos os beligerantes, mas sobretudo pelos submarinos alemães que operavam no Atlântico, torpedeando os comboios de navios aliados. A partir daí a frota portuguesa passa a ser mundialmente conhecida pelo nome de Frota Branca.
Depois do 25 de Abril de 1975, este tipo de pesca acabou por se extinguir, motivado essencialmente pelo alargamento das águas territoriais do Canadá e da Dinamarca para 200 milhas, com a consequente fixação de quotas máximas de pesca para frotas estrangeiras. Era também chegada a altura de os grandes veleiros pesqueiros serem reformados, cedendo o lugar aos modernos arrastões, bem equipados e recheados de tecnologias de detecção e captura dos cardumes. Portugal que continuava a privilegiar a singela pesca à linha (menos agressiva do ambiente e mais protectora da espécie), relativamente à pesca do arrasto (mais predadora do pescado, logo causadora da progressiva escassez da espécie), não acompanhou a renovação tecnológica e acabou por ser incapaz de competir com as frotas pesqueiras de outros países, abandonando a faina, onde antes havido sido mestre e soberano.

3 comentários:

Carlos Romao disse...

Fiquei com o olhar preso nas fotos. Talvez não sejam de um “simples tripulante” do Labrador que, em 1935, possivelmente não teria meios económicos para aceder a uma máquina fotográfica. O autor sabia o que estava a fazer. A luz está bem medida, a focagem certa e os enquadramentos bem feitos. Até a linha do horizonte, nas fotos do iceberg e do barco, está de acordo com as regras de composição de uma imagem. Um amador vulgar teria tendência a inclinar a máquina colocando o horizonte na diagonal e a dar menos céu à imagem do iceberg. A exactidão do momento dos disparos durante a tempestade no mar alto revela que o autor manejava bem a máquina fotográfica. Por outro lado a escolha dos motivos revela uma sensibilidade que não seria, em princípio, atributo de quem executa um trabalho duro.
Parabéns pela reflexão à volta destas belíssimas imagens.

Jaime disse...

Parabéns por esta recordação; quer no seu texto quer através das belissimas fotografias!

Anónimo disse...

Mais do que epopeia, são histórias de vida. Uma escultura à vida.